Canvas da comunicação: como usar? | Blog Otimifica

O Canvas da Comunicação é uma ferramenta que ajuda profissionais de comunicação e marketing a trabalhar melhor. Ele surge como um contributo para o planejamento tático de comunicação de marcas, produtos, serviços, ideias, artistas, pessoas.

Super inspirado em design thinking e nos métodos ágeis, é uma versão do Canvas do modelo de negócios, a ferramenta de modelagem de negócios favorita das empresas na mentalidade digital.

É importante explicar que a ideia aqui não é criar algo novo. Todos estes termos – design thinking, métodos ágeis, canvas, mentalidade digital – saem do mercado de tecnologia para as demais áreas do conhecimento. Com o canvas, não poderia ser diferente. Existe canvas de praticamente tudo, da vida pessoal à proposta de valor, e por isso decidi transcriá-lo para a comunicação.

Mas por que atualmente vemos tantos termos da tecnologia importados para a comunicação?

Somos cada vez mais norteados pela tecnologia, logo é natural que os seus processos e métodos façam parte também de outras áreas do conhecimento. Repare que uso o termo transcriar e não traduzir ou recriar. Essa é uma observação importante, afinal, o Canvas não veio ao mundo para “criar algo novo”, mas sim para reinterpretar e agregar o valor já existente na gestão para a comunicação e o marketing.

Faz sentido?

Se você ainda não baixou o Canvas da Comunicação, clique aqui.

1. Receptor

Lembre-se, o receptor é você: você esta procurando os problemas do cliente (emissor) para entregar soluções mais apropriadas. Lembre-se que um cliente não está interessado no que você oferece, mas no que ele está procurando. Antes de falar para você, ele pesquisa no Google. Antes de definir a compra, ele conversa com amigos e influenciadores. Usar recursos como Google Trends e Google Keyword Tool, para saber como ele busca resolver este problema, podem ser pontos de partida interessantes.

2. Emissor

O emissor é o seu cliente. Pense nos problemas que o seu receptor têm e como a sua solução (produtos, ideias, serviços) resolvem esse problema. Como ele gostaria de encontrar essa solução? Recursos como o mapa de empatia e a criação de personas ajudam a tornar tangível o emissor.

3. Mensagem

Pense em uma mensagem que você quer que seja compreendida pelos seus potenciais clientes. Um erro comum na comunicação é querermos passar mais de uma mensagem por vez. Neste ponto do canvas você só precisa descrever o que quer que seja compreendido.

4. Código

Esqueça as suas palavras. Como o emissor falaria a sua mensagem? Que palavras utilizaria para descrever? Neste ponto vale, inclusive, conversar com clientes atuais para entender como eles repetem aquilo que entendem do que você entrega.

5. Canais

Ponto fundamental do inbound PR, comece investindo em sua “casa própria”, ou seja, nas suas redes como site, blog, materiais para download e tudo o que a sua empresa tem controle. Após definir o seu conteúdo base, amplifique-o nas redes sociais e com o apoio de mídia espontânea. Quando você tem uma estratégia digital clara e desenvolvida, a mídia paga (publicidade on ou offline) tem muito mais impacto também. Neste quadro, você deve pensar nos canais para chegar nas suas personas em cada uma das quatro mídias.

6. Frequência

Quem não é visto, não é lembrado, mas não podemos ser lembrados como chatos e sim como entregadores de valor. A periodicidade da entrega das suas mensagens, assim como o momento do ano ou da jornada da sua persona, deve ser pensada neste quadro.

7. Conteúdo

Nesta etapa, retorne ao quadro mensagem. Utilize o que você descreveu em tópicos lá e transforme em uma frase clara e direta. Em poucas palavras você precisa definir o que entrega de valor, atendendo a quais problemas dos seus públicos e com foco em qual resultado. Conteúdo sempre é importante, mas a forma também é!

8. Contexto

A comunicação não é mais on ou offline. Ela é All-line. Por isso, a sua mensagem poderá estar no smartphone, no computador, na TV, nas revistas, nas redes sociais ou em eventos.

9. Métricas

Quando se trata de mídias digitais, temos como acompanhar e monitorar praticamente tudo o que se faz em sites e redes. Neste quadro você estabelece como vai mensurar a entrega da mensagem e se o teor da mesma está sendo compreendido pelo receptor.

Uma observação Importante: Comece pelo receptor

Se antes estávamos na era da interrupção, onde as empresas entravam a qualquer momento na vida dos consumidores para passar o seu reclame, hoje estamos na era da atração. Isso significa que vamos atrás da informação e até odiamos quando a publicidade corre atrás de nós.

Entender nossas personas e como ajudamos elas a contornar ou resolver um problema do dia-a-dia é a forma apropriada de pensar a comunicação: atraindo a sua atenção e não interrompendo o dia a dia. Isso significa começar no receptor, e não no emissor, como o processo tradicional de comunicação.

Por mais que ainda compremos por impulso ou por repetições emocionais, o receptor, ou a persona que vai receber a mensagem, racionalmente vai em busca de uma solução para algum problema que tenha. Por problema, entendemos desde problemas reais, como encontrar um encanador na internet, até questões como comparar modelos de carro, procurar apartamento, móveis, passagens aéreas ou sapatos, com o auxílio de ferramentas de busca.

O Canvas da Comunicação é um poderoso aliado do planejamento estratégico.

O planejamento da comunicação não precisa ter páginas e páginas de detalhamento. Numa época em que temos tantas redes sociais digitais e algoritmos que mudam a toda a hora, um relatório tradicional nem sempre é a forma mais prática de garantir o sucesso das suas ideias.

Comentários
Share via
Copy link
Powered by Social Snap